ABACAXI ATÔMICO

Jogos do Poder

03/03/2008

jogosdopoder.jpg

Um grande diretor, um ótimo elenco e um texto impecável - ingredientes que já fazem de Jogos do Poder um entretenimento imperdível, além de propor uma discussão sobre o papel da política externa norte-americana nos destinos do planeta.

Jogos do Poder narra a ação do congressista Charlie Wilson (Tom Hanks) para libertar o Afeganistão da opressão dos russos, que invadiram o país em 1979. Anti-comunista ferrenho, Wilson se interessa pela causa afegã e tem como apoiadora a rica e esnobe Joanne Herring (Julia Roberts), além do agente da CIA Gust Avrakotos (Philip Seymour Hoffman, vulgo Capote). Em uma armação inusitada, para não dizer bizarra mesmo, eles conseguem unir israelenses a paquistaneses e egípcios, todos contra os soviéticos. Para convencer os egípcios, aliás, o expediente utilizado é de arrancar gargalhadas.

Um grande mérito do filme é mostrar a ambigüidade os heróis da trama. Wilson é um mulherengo inveterado, consome drogas e bebidas ao bel prazer, faz farra, seu gabinete no Congresso só tem funcionárias lindas e bem vestidas. É um bon-vivant longe de ser um estadista. Herring é uma texana que vai a igreja e vai pra cama com qualquer homem que lhe interesse com a mesma naturalidade. E Avrakotos não é o típico sujeito que você teria prazer em conviver no seu emprego…

O interessante é que os defeitos ou contradições dos personagens são mostrados com muita naturalidade, gerando uma identificação tão grande com o espectador que ele praticamente “absolve” os escândalos proporcionados pelo trio. E muito do humor do filme surge exatamente desta dicotomia entre as intenções nobres dos personagens e suas vidas privadas não muito, digamos, edificantes. Méritos para as ótimas atuações e, principalmente, para um excepcional diretor de atores - Mike Nichols.

Diga-se de passagem, é bacanésimo ver um cara como Nichols acertando novamente depois de outra obra-prima (Closer) e se confirmando como um dos grandes cineastas da atualidade. Percebam em especial a desenvoltura dos personagens e a agilidade dos movimentos da câmera na cena em que o agente Avrakotos se reúne com Wilson em seu gabinete e tem que sair em vários momentos, interrompendo a conversa. Isso acontece porque as funcionárias do gabinete estão a todo o momento tendo que interromper a reunião devido a um escândalo que, se não fosse abafado, comprometeria a carreira de Wilson: o congressista havia sido flagrado usando drogas em uma das várias festas que freqüentava.

Atuando nos bastidores e superando e abafando denúncias sobre condutas ilícitas em sua vida pessoal, Wilson consegue aumentar a verba de apoio norte-americano para operações secretas contra os soviéticos de US$5 milhões para US$1 bilhão por ano. Resultado: o exército vermelho passa a encontrar uma feroz resistência por parte dos guerrilheiros afegães. Seus helicópteros de combate já não são mais invencíveis, sendo abatidos com freqüência cada vez maior por um inimigo mais bem organizado, treinado e equipado. O resultado final é que em 1988 os russos deixam o Afeganistão completamente desmoralizados.

E a história não termina aqui… O boa pinta Wilson e o persistente Avrakotos percebem que os Estados Unidos não podem deixar o Afeganistão abandonado à própria sorte. Infelizmente, não é o que o resto dos lobbistas pensa. E assim…

O mais interessante é que o filme é baseado em um livro publicado originalmente em 1993, justamente sobre a atuação do congressista Wilson na resistência aos soviéticos no Afeganistão. E hoje, mais do que nunca, essa história soa mais atual que nunca. A turminha do Taleban e do Bin Laden que o digam… Jogos do Poder é um grande filme e um grande divertimento, que também é prático ao explicar, em linhas gerais, como os americanos são mestres em fazer bobagens quando o assunto é política externa.

Avaliação: estrela.gif

Ficha técnica:

Charlie Wilson’s War. EUA, 2007. Direção de Mike Nichols. Com Tom Hanks, Julia Roberts, Philip Seymour Hoffman, Amy Adams, Ned Beatty, Emily Blunt, Om Puri, Ken Stott, John Slattery. Cor, 97 min.

Site oficial: http://www.charliewilsonswar.net/
Site IMDB: http://www.imdb.com/title/tt0472062/



Google